quinta-feira, 20 de julho de 2017

Casas Astrológicas: Casa VIII

CASA VIII: O mundo das crises. A morte, as destruições, as metamorfoses, os renascimentos, a sexualidade; mas também o dinheiro do cônjuge e da morte (heranças, legados).

RECICLAGEM E INVESTIMENTOS: Sexo, oculto, astral, magia, morte física, doenças, ganhos possíveis de heranças ou testamento, grandes transformação, magia, metamorfose; o momento que temos de destruir, abandonar ou matar algo dentro de nós para que o novo possa brotar, séria angústia mental. Depois de fazermos as parcerias na Casa 7, podemos compartilhar nossos valores e nossos excessos na Casa 8, onde vivemos a experiência da transformação e regeneração. A Casa 8 está oposta a Casa 2, que insere nossos valores pessoais, portanto ela guarda os valores coletivos, é nela que nós confrontamos e juntamos nossos valores com os dos outros. Ela guarda as experiências da liberação dos nossos excessos e de como compartilhamos com os outros tudo que nos sobra. Nesta Casa estão o mercado financeiro, os créditos, as heranças, os recursos e os valores que nos são concedidos por outros; está a sexualidade, que nada mais é do que a liberação dos nossos excessos de desejo libidinoso. Aqui estão também as crises que nos levam a transformação e a regeneração; está também a morte, que nada mais é o desprendimento de tudo que acumulamos na vida, e por isso mesma é a mais profunda transformação. O signo regente da Casa 8, delineia a primeira abordagem dessas experiências de transformação através da liberação dos nossos excessos, dos nossos valores e de nossas angústias.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Casas Astrológicas: Casa VII

CASA VII: O mundo do complementar ou do oposto. As uniões, o casamento; as colaborações e associações; os inimigos declarados, processos e lutas.

RELACIONAMENTOS E PARCERIAS: Tu, o outro, marido, noivo, namorado, parceiro, amante fixo, casamento, associações, sociedades, divórcios, inimigos declarados, ligações sérias que podem se dar tanto no plano espiritual, por meio de um grande afeto, como no plano profissional ou financeiro. Depois de construir nossa rotina diária e por ordem em nossa vida na Casa 6, podemos viver as experiências dos relacionamentos na Casa 7, onde temos que confrontar nossa identidade com a das outras pessoas. A Casa 7 é a primeira Casa do hemisfério coletivo, ela está oposta a Casa 1, onde no começo da nossa história nós nos posicionamos como pessoa, mas aqui não estamos sós, estamos compondo relacionamentos. Por isso a Casa 7 guarda as experiências das nossas parcerias, dos nossos casamentos e sociedades que compomos em nossa vida. É nesse setor que nos deparamos com o ponto de vista e com a vontade das outras pessoas, onde somos obrigados a reconhecer que as pessoas com quem nos relacionamos possuem uma identidade diferente das nossa. O signo regente da Casa 7, delineia a primeira abordagem dessas experiências de relacionamentos com comprometimento. Nós não possuímos as qualidades do signo regente dessa Casa, cuja cúspide é oposta ao Ascendente e por isso chamamos de Descendente. As qualidades e vibrações deste signo nos são trazidas por outras pessoas quando nos relacionamos.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Casas Astrológicas: Casa VI

CASA VI: O mundo doméstico. Os cuidados com a saúde, a obrigação do trabalho, a prestação de serviços; as relações com os subalternos e os animais.

ORGANIZAÇÃO E DIA-A-DIA: Rotina, trabalho, estudo, tios, empregados, animais, saúde, suas obrigações e dedicações. Rege a organização e o esforço. A saúde que tantas vezes é prejudicada por um excesso de sacrifício na profissão. Depois de exaltar com criatividade nossa identidade e divertirmos bastante na Casa 5, é hora de mostrar nossa capacidade de fazer algo prático na Casa 6, onde vivemos a experiência de operar e sistematizar nossa vida. A Casa 6 delimita a vivência diária de nossas rotinas de vida. Ela guarda as experiências da nossa organização do dia-a-dia, dos nossos hábitos, das coisas que fazemos rotineiramente, do cuidado diário com a higiene e com a saúde, dos nossos animais de estimação, dos nossos empregados, do nosso ambiente de trabalho, de tudo que podemos realizar de maneira prática, sistemática e rotineira. O signo regente da Casa 6, delineia a primeira abordagem dessas experiências de organização do nosso dia-a-dia.

Conteúdo Correspondente